N'água e na pedra amor deixa gravados
seus hieróglifos e mensagens, suas
verdades mais secretas e mais nuas.

"Entre o ser e as coisas"
Carlos Drummond

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Bater gravado

Não, elas não significam nada. São bonitas, só isso. Mas, então, beleza não significa nada, dizia astuto em trânsito enquanto degustava os olhos da moçoila. Elas são místicas por natureza, um misticismo do corpo, da carne rasgada, da implantação do permanente no esqueleto do inconstante. Não se faz tudo isso pela dor, nem pela superfície. Cravar nas costas a beleza não é de superfície, não senhora, já mostravam os índios. Aliás, que maneira de chamar dúzias de povos distintos, não, minha cara? Os habitantes primevos da sudamérica entendiam de magia, uniam o céu pleno de segredos à terra sedenta de sentido. É isso o que elas significam, madame. Ah, o lugar em que estão também conta, sim, bem lembrado. Eu, aliás, me gabo de ter algumas numa parte um tanto delicada e inatingível. Quê? Haha, não! É ainda mais forte que isso, me acredite. Aliás, tem quem duvide, mas te afirmo de pés jurados, é a mais cristalina verdade. Foi na juventude, mas o que diziam não aconteceu. Não, não me arrependo de nada. Sempre tive orgulho delas. Conheci um cirurgião que se tornou bem chegado. A gente ia ao jogo só pra imitar os torcedores, zoando. Depois ouvíamos música. Numa noite chuvosa apareci à porta dele e pedi. Um nome no coração, vamos lá que daqui a pouco amanhece! Estranhou, mas cedeu. Nos entendíamos bem, sabe como é. Quem vê a cicatriz acha que foi transplante. Então, me pedem cópias de radiografias e ressonâncias que nem fiz, pode isso? Te confesso que desde então ele não bate igual. Duvida? Não tenho nada a provar. Quem tem que saber, sabe.

2 comentários:

Juliana Stanzani. disse...

Tatuagem no peito não se deve... não deve.

Surpreendendo esta que te tem estima. =]

Edu Café disse...

Não é exatamente no peito...